quarta-feira, julho 24, 2024
Publicidade
InícioMogi das CruzesCaio Cunha é alvo de denúncia de nomeação de servidor fantasma

Caio Cunha é alvo de denúncia de nomeação de servidor fantasma

Ação popular aponta que Guilherme Cavalcanti, que é de Recife-PE, mesmo não comparecendo ao trabalho na Prefeitura de Mogi das Cruzes-SP, recebeu mais de R$ 220 mil em um ano

O prefeito de Mogi das Cruzes-SP, Caio Cunha (Podemos), é alvo de uma ação popular que indica que ele teria nomeado uma pessoa com intenções “político-partidárias” somente para o recebimento do salário. Conforme consta na denúncia, Guilherme Reynaldo de Rangel Moreira Cavalcanti, que é de Recife, capital de Pernambuco, ocupou o cargo de consultor para assuntos em nível governamental II, na Prefeitura de Mogi das Cruzes, entre 1º de janeiro de 2022 e janeiro de 2023. O processo tramita na Vara da Fazenda de Mogi, que deu prazo de 20 dias para Cunha apresentar defesa.

Ainda segundo o processo, o referido servidor teria sido contemplado com uma gratificação sem justificativa e que resultaria no recebimento mensal de R$ 26.252 – valor que se aproxima ao salário do próprio prefeito. Na ação popular, foi, inclusive, anexada a tabela dos vencimentos reais referentes à função ocupada por Cavalcante à época – em torno de R$ 12.601,23. Na somatória do período nomeado, o homem teria embolsado R$ 220 mil, sem ter ido trabalhar. A suspeita, de acordo com a denúncia, é que ele era funcionário fantasma.

A acusação sinaliza que o suposto servidor é natural do Recife-PE e teria permanecido em seu estado de origem durante todo o tempo em que esteve na folha de pagamento da Prefeitura mogiana. Inclusive, segundo o processo, ele é sócio das empresas GRC Consultoria em Gestão Estratégica, da HUB Plural S.A. e da HUB Recife Ltda., e ocupa cargo de conselheiro do Sport Clube do Recife.

Para corroborar com a tese de que ele não prestava serviço na Prefeitura de Mogi das Cruzes, a denúncia anexou postagens nas redes sociais de Cavalcanti na qual ele exerce atividades ligadas às suas empresas no período que deveria estar em solo mogiano. O suposto funcionário também omite em seu currículo o cargo ocupado na administração municipal.

Publicidade
ARTIGOS RELACIONADOS
Publicidade

MÚSICA E ENTRETENIMENTO

ARTIGOS POPULARES